25 fevereiro 2017

Faixa Amarela

Faixa Amarela
(Zeca Pagodinho)
Eu quero presentear 
A minha linda donzela 
Não é prata nem é ouro
É uma coisa bem singela
Vou comprar uma faixa amarela
Bordada com o nome dela 
E vou mandar pendurar 
Na entrada da favela 
Vou dar-lhe um gato angorá 
Um cão e uma cadela 
Uma cortina grená para enfeitar a janela 
Sem falar na tal faixa amarela
Bordado com o nome dela
Que eu vou mandar pendurar
Na entrada da favela 
E para o nosso papá vai ter bife da panela
Salada de petit-pois, jiló, chuchu e beringela
Sem falar na tal faixa amarela
Bordada com o nome dela
Que eu vou mandar pendurar 
Na entrada da favela
Vou fazer dela rainha do desfile da Portela
Eu vou ser filho do Rei, e ela minha Cinderela 
Sem falar na tal faixa amarela 
Bordada com o nome dela 
Que eu vou mandar pendurada 
Na entrada da favela 
E para gente se casar, vou construir a capela
Dentro de um lindo jardim com flores, lago e pinguela 
Sem falar na tal faixa amarela 
Bordada com o nome dela 
Que eu vou mandar pendurar
Na entrada da favela
Mas se ela vacilar, vou dar um castigo nela
Vou lhe dar uma banda de frente
Quebrar cinco dentes e quatro costelas
Vou pegar a tal faixa amarela
Gravada com o nome dela
E mandar incendiar
Na entrada da favela 
Vou comprar uma cana bem forte
Para esquentar sua goela 
E fazer uma tira-gosto
Com galinha à cabidela 
Sem falar na tal faixa amarela
Bordada com o nome dela 
Que eu vou mandar pendurar
Na entrada da favela

19 fevereiro 2017

Caráter e Ética

“Chamamos de ética o conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão olhando. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém está olhando chamamos caráter.”
Oscar Wilde (1854-1900), escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa.

17 fevereiro 2017

Tostão

"Diferentemente da frase do ex-jogador Falcão, que ficou famosa, de que o jogador morre duas vezes, uma quando para de jogar e outra quando morre de fato, tive, quando encerrei a carreira, uma perda, mas também um renascimento. Morremos e renascemos várias vezes na vida, até desistirmos, ou até que a vida desista de nós."
(Tostão)

15 fevereiro 2017

Respeitabilidade

1: O bom humor espalha mais felicidade que todas as riquezas do mundo. Vem do hábito de olhar para as coisas com esperança e de esperar o melhor, e não o pior.
2:Nem todos podem tirar um curso superior. Mas todos podem ter respeito, alta escala de valores e as qualidades de espirito, que são a verdadeira riqueza de qualquer pessoa.
(Alfred Montapert, escritor francês)
#

13 fevereiro 2017

Boi e Sexo

- Não é um boi!
- Eu sei, não sou um boi, sou um touro reprodutor.
- Não é isso. Para. Sai de cima de mim. Eu descobri. Não é um boi. Sempre interpretaram a música errado.
- Você enlouqueceu de vez. O que é que está acontecendo? A gente quase nunca transa. Quando enfim acontece você para tudo e fala de música?
- É sério. Não sei como tive esse insight só agora, mas é esclarecedor. Não é um boi. Deve ser um caminhão, uma moto, qualquer coisa, mas não é o boi que todo mundo sempre pensou que fosse.
- Você está tendo algum tipo de alucinação? Que história é essa de boi, moto, caminhão?
- É simples. Você lembra da música Menino da Porteira?
- Essa música tem uns 100 anos, mas é claro que lembro.
- Lembra do trecho "quem matou o meu filhinho foi um boi sem coração"? Pois é, não é um boi. É uma metáfora. O boi sem coração não é um boi, é uma máquina. Por isso é que eu digo que foi uma moto, um caminhão. Entende o que eu digo? As pessoas não chamam moto de cavalo de aço? Pois é, o boi sem coração também é uma máquina. Se fosse mesmo um boi, não teria feito aquilo. O menino conhecia todos os bois, os bois conheciam ele, por que o matariam? Mas não foi um boi. Como é que ninguém nunca pensou nisso?
- Você está louca. Nós transamos a cada 15 dias, sempre às terças, porque é nas quartas que você pode acordar mais tarde. Você impôs essa regra e eu aceitei. Hoje é a segunda vez que estamos fazendo amor neste mês. Eu estava gostando. Estava aproveitando esse momento e você pensando numa música caipira do século passado?!
- Esquece o resto. Você também não acha que não pode ser um boi?
- O que eu acho é que você é uma vaca! Se você não gosta de sexo, é só dizer. Primeiro impõe esse cronograma ridículo, depois no meio da escassa oportunidade de se entregar fica pensando num boi. Você deve ser frígida. Esse seu boi foi um grande argumento para acabar com tudo. Para cortar esse raro sexo entre nós dois. Mas precisava de toda essa encenação? Era só falar, estou com dor de cabeça, dor nas pernas, dor nas juntas, dor no diabo que a carregue.
- Eu não entendo por que você está tão bravo. É por que a descoberta não foi sua, seu sabe-tudo?
- Você está louca. Você e seu boi, sua moto, sua máquina.
- Amorzinho. Não fica assim. Eu tive uma revelação durante o sexo. Isso não é ótimo? Vem aqui. Isso significa que vamos ter que repetir isso várias vezes. Todo dia. Muitas vezes ao dia. Há muitos mistérios a solucionar. Imagina descobrir o que é "zabelê, zumbi, besouro", o que significa "açaí, guardiã, zum de besouro, um imã", por que o lobo alimenta a matilha... As oportunidades são ilimitadas só na MPB...
- Pensando bem. Acho que gostei desse boi.
#

10 fevereiro 2017

Final de Copa

Não resistiu. Viu a pelada e deu seta, pegou o acostamento devagar, desceu o pequeno declive de terra e deixou o carro perto do capinzal.
De terno e gravata, ficou em pé assistindo. Terrão, sol humilhante, dois times (com camisa e sem camisa) de rapazes simples jogavam como numa final de Copa do Mundo.
Suava, estava atrasado, se empoeirava, o compromisso era importante – mas ele não saía do lugar.
Viu que tinha uns galões de água, fez sinal pra um dos jogadores pedindo pra tomar. Virou no bico, esfregou a boca com as costas da mão, molhou o cabelo, pôs as mãos na cintura abrindo as asas do paletó e voltou a assistir.
Não pensava mais no tempo. A tarde crepitava. O jogo parecia que não teria fim. O zunido dos carros na estrada. Gols comemorados como vitórias numa guerra. O manto de poeira.
De cócoras. Com a mão em continência pra apurar a vista. A boca seca. Os lábios nos mesmos galões em que todos tomavam.
E foi aquilo. Um se machucou, tio, entra aí, quem, eu?, é, tio, completa aí, mas só estou assistindo, faz tempo que não jogo, só completa, de terno?, vai logo, tio, peraí, boa.
Era no time de camisa. Deixou o paletó no chão e entrou.
Não sabia mais o que estava acontecendo. Sol, poeira, carros, a bola, os jogadores em volta, ele correndo sem parar, a gravata balançando, os sapatos doendo, o suor empapando tudo, o barulho do tempo zunindo, zunindo, zunindo, escurecendo, quem fizer acaba, mas ninguém fazia, o jogo não acabava, quase noite, ele correndo, tocando, chutando, tropeçando, a boca cheia de terra, já não se via mais nada...
O carro tá lá no capinzal faz mais de um mês. Depenado.
Quem mora em volta não sabe como ele foi parar lá. Ninguém se lembra de ter visto nada: nem acidente, nem pelada, nem ninguém saindo do carro, dizem que naquele campo ninguém joga há anos.
Mas a polícia segue procurando o corpo.
É que acharam um paletó no chão, sujo de terra, do lado do campo.
Mas sem nada. Nenhum documento, nenhum papel. Nada.
(Texto de Luiz Guilherme Piva)

08 fevereiro 2017

Sabedoria Indígena

== “Quando for cortada a última árvore, pescado o último peixe e poluído o último rio, é que os homens perceberão que não podem comer dinheiro.”==

06 fevereiro 2017

04 fevereiro 2017

03 fevereiro 2017

Grandeza

==A grandeza de uma pessoa está em saber reconhecer sua própria pequenez.==
Blaise Pascal (1623-1662), filósofo, físico, matemático e escritor francês.
#

01 fevereiro 2017

23 janeiro 2017

Sonho de Menino

Nunca foi de estudar, não. Negócio dele era bola, o dia todo.
Às vezes ajudava a mãe a preparar as coisas pra vender na rodoviária, mas logo se mandava pro campinho.
Comigo, nem pensar. Veio conhecer o ponto, expliquei tudo (grupo, dezena, os rateios), não quis saber. Deu uma brecha e sumiu.
Mas nunca deu trabalho. Chegava sujo, tomava banho, deitava, de manhã saía pra escola – mas ia nada, só quando não arrumava pelada no caminho.
Bom, agora taí. Moço, alto. Diz que vai embora. Tentar um time numa cidade maior. Fala nisso o dia todo. A gente tenta mudar a cabeça dele, mas vai dizer o quê? Pra vender sacolé, fazer jogo do bicho?
O medo é de que ele não volte nunca mais.
(Texto de Luiz Guilherme Piva)